Novo Implante Dentário – Implante dentário Hellos


Implante Dentário: Hellos
INVENTOR: Dr Lotario Thum – Cir dentista
Estudo aprovado pelo Comitê de Ética em Experimentação Animal
Centro de Ciências Agroveterinárias – Udesc – Lages/SC
CARTA DE APROVAÇÃO : Protocolo: 01.76.14
Título Bioativação da superfície de implantes de titânio.

DADOS DO IMPLANTE:
Implante em liga de titânio biocompatível tipo IV.

A Maior Contribuição Científica na Implantodontia em 2015.

O  projeto do “IMPLANTE HELLOS”
Foi concebido a partir de evidencias clinicas e resultados observados nos implantes convencionais  em uso normal no mercado, num período de 20 anos, avaliando os insucessos e suas prováveis causas, foi pensado e desenvolvido o projeto de um implante que tivesse por  caracteristica a não agessão aos tecidos duros, como compactação e compressão promovendo  “STRESS” aos tecidos, afastando  os meios liquidos e principalmente o sangue – hemacias – e  os elementos químicos proprios do meio circulante,  responsáveis pelo transporte do oxigênio para manter as células vivas e promover o pronto restabelecimento dos tecidos lesados (leito ósseo receptor do implante)

Após longo período de ensaios e projetos, enfim surge o único implante no mundo com características que permitem o implante ficar envolto por  coágulo sanguíneo na sua maior parte e apresentar estabilidade primária maior que os implantes convencionais, podendo instalar próteses provisórias e imediatas em ato contínuo à cirurgia.

Objetivo do projeto de um novo implante dentário :

Inovar desenvolvendo um implante que respeite as leis da natureza, não causando “Stress”  aos tecidos ósseos,  criando espaços biológicos  para acumulo de sangue e todos os líquidos presentes  nos tecidos, proporcionando condições de reparação dos tecidos no entorno dos implantes iniciando-se este processo imediatamente com a presença do coágulo sangüineo presente no espaço biológico,  sendo este coágulo nutrido pelo sangue proveniente dos vasos seccionados e ainda o sangue  e líquidos acumulados no osso trabeculado,  fazendo as trocas necessárias  fornecendo os nutrientes e elementos proteicos para a regeneração do tecidos,  evitando a necrose do tecido ósseo, que neste implante não se encontra compactado na superfície do implante –  compressão nas paredes do leito receptor do implante .  “Nenhum tecido se regenera sem a presença dos elementos constituintes do meio sanguíneo e hemácias responsáveis pelo transporte de oxigênio. Sem a presença das hemácias –  células  que transportam oxigênio todo tecido necrosa.”

Forma do implante:

Corpo cilíndrico, com dois diâmetros, apresentando na ponta ou ápice uma  concavidade, vista de topo, superfície negativa, com a borda circular não cortante, em forma anelar, onde se inicia a rosca tipo “rosca soberba”(autorroscante) até o limite de  um terço do implante( terço apical com diametro menor) e continuando, apresenta o corpo com uma  concavidade em todo o terço médio(superfície negativa) continuando, incia o terço cortical que apresenta diâmetro maior com roscas  até o limite da plataforma, onde ainda possui um sulco  para acumulo de líquidos e sangue na região do osso cortical e termina com uma plataforma conóide, e esta tem característica de uma tampa em forma de “tufo” ou tampão vedante, promovendo o fechamento e selamento da superfície do osso cortical com o leito receptor do implante, protegendo e impedindo a contaminação pelo meio bucal e a proliferação de células de tecidos moles.

O espaço criado entre o leito cirúrgico (parede óssea) e a superfície do implante, permite o acumulo do coágulo sangüineo que se comunica com a parede óssea e este será nutrido através da microcirculação e os elementos próprios do soro sanguíneo acumulado no osso trabecular, propiciando condições ao organismo restabelecer a área lesada que se apresenta livre e não sofre a compactação  compressão  provocada pelos implantes convencionais recebendo livremente os nutrientes dos vasos e tecidos circundantes, nutrindo e fazendo as trocas biológicas com o coágulo, mantendo-o vivo, promovendo a imediata reparação óssea. Numa vista tridimensional o implante fica envolto por uma cápsula formada pelo coágulo sanguíneo, no ápice em forma de concha, no terço média recoberto  pelo coágulo e junto a plataforma em forma anelar.  Após instalado o implante, o coágulo sanguíneo se reorganiza e inicia-se imediatamente a diferenciação celular ocorrendo o aumento de plaquetas na superfície óssea e superfície do implante e num período de 2(duas) horas, a formação de “ osteoblastos “ em todo o entorno do implante.  Com a nova vascularização formada no coágulo e no entorno do implante, se eleva o nível de plaquetas,  para acelerando a osseointegração.

O Implante é indicado para todos os tipos de tecido ósseo: Tipos I, II, III e IV.

Além do osso tipo I e II , é indicado para pacientes  submetidos ao tratamentos com Alandronatos, (medicamentos que atuam na capacidade de aumento da Densidade Mineral Óssea), pois a cápsula de sangue formada entre a parede óssea e a superfície do implante é nutrida com pouca ou mínima comunicação com os micros vasos na região que foram seccionados ao fazer o leito receptor.
Em diabéticos, o processo inflamatório é reduzido e a probabilidade de perda de implantes é praticamente nula.

Estudos realizados:

1. Implantes feitos em “tibias de ovelhas” mostraram que com 3 semanas houve intensa formação de tecido ósseo , sendo que a medula das tíbias apresentavam somente tecido adiposo.
Com 42 dias todos os implantes apresentaram quantidades de tecido ósseo recobrindo os implantes (*) .
2. Implantes feitos em osso “ Ilíaco de ovelhas “ onde o tecido medular trabecular apresentava acumulo de sangue – os implantes apresentaram formação de tecido ósseo compacto recobrindo os implantes – tornando-se imperceptível a diferenciação do osso neoformado do osso normal adjacente.

3. Comprovação: microtomografias, Rx digital; tomografias . histologia.

Estabilidade primária: É maior que os implantes convencionais no mercado e permite a instalação imediata de próteses ou fazer a reabertura com 3 semanas, pois já existe tecido ósseo neoformado que não sofre danos com a aplicação de cargas sobre o implante.

Os implantes terão diâmetros diversos e poderão ser confeccionados com hexágonos internos ou externos.

Joinville, SC, em 17 de dezembro de 2015
Dr Lotario Thum
Cir. Dentista.